4/01/2011

Poeta

Abaixo posto o que escrevi para o Moisés Poeta, embora eu não o conheça, adoro o que ele escreve. Espero que goste.


Hoje eu devorei tuas palavras
Fiz um prato farto
E embora eu não coma carne,
Hoje eu comi.
Degustei a carne amarga,
Crua e dura da realidade.
Dura como a verdade.

Mas, apesar disso era boa.
Pois não criava ilusões,
Como faz a falsidade,
A verdade velada
Pelas amarras do lucro.

E nas tuas palavras, Poeta,
Encontrei um companheiro
Que assim como eu,
Não concordava
Com aquilo que havia
De “errado” em nossa realidade.

E também me reconheci.
Nas tuas doces frases,
Em que me encontrei embebida.
Embora indignados com o que há de “errado”
Não nos esquecemos da beleza da vida
E do viver

Teice

6 comentários:

  1. Vim agradecer o comentário ternurento que deixou em minhas páginas e dizer que também gosto daqui.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Esse Moisés Poeta deve ser mesmo merecedor das tuas rimas... :)
    obrigada pela sempre presença, Teice!

    ResponderExcluir
  3. Olá adorei teu blog, lindo mesmo. Parabéns. Fique a vontade para fazer uma visitinha ao nosso “Alto-falante” e seja mais um membro. Você é nosso convidado especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/.
    Um grande abraço!

    Renato Douglas!

    ResponderExcluir
  4. Teice, adorei essa poesia, assim como todo o seu blog, ele é uma gracinha.

    ResponderExcluir
  5. O Moisés é um grande sujeito, maravilhoso poeta. A blogosfera certamente é mais interessante porque ele está aqui, com suas palavras cortantes, que fazem sangrar a alma diante das inevitáveis verdades.

    Bela e justa homenagem.
    Beijos!

    ResponderExcluir